• Laura Gatica

Fique por dentro das principais mudanças do calendário eleitoral e medidas vigentes para as Eleições

Os graves impactos da pandemia no Brasil mudaram diversos cenários e planos estabelecidos em todas as áreas e a Justiça Eleitoral não saiu imune à essas influências. Depois de muitos debates foi aprovado no dia 1º de julho na Câmara dos Deputados a PEC 18/2020, Proposta de Emenda à Constituição que altera o calendário eleitoral desse ano, adiando o primeiro e segundo turno das eleições. Vale ressaltar que a PEC autoriza o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adiar ainda mais as eleições em cidades com muitos casos de Covid-19, tendo como limite o dia 27 de Dezembro para as novas datas.

As principais datas alteradas foram:


A partir de 11 de Agosto

As emissoras ficam proibidas de transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato.


31 de Agosto à 16 de Setembro

Período destinado às convenções partidárias, definição sobre coligações e escolha de candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador.


26 de Setembro

Último dia para registro das candidaturas.


A partir de 26 de Setembro

Início da propaganda eleitoral, inclusive na Internet.


9 de Outubro

Início da propaganda gratuita em rádio e televisão até dia 12 de novembro.


27 de Outubro

Prazo para os partidos político, coligações e candidatos divulguem relatórios discriminando os recursos recebidos do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e outras fontes, bem como os gastos realizados. 


15 de Novembro

Primeiro turno das eleições.


29 de Novembro

Segundo turno das eleições.

Confira a seguir outras mudanças e reformas eleitorais que vigoram nesse ano:

#1 Extinção da biometria

Novas medidas de segurança sanitária foram criadas prezando pela saúde e segurança dos eleitores e profissionais que trabalharão nas eleições 2020. De acordo com Fiocruz e os hospitais Sírio Libanês e Albert Einsten, que prestam consultoria ao TSE, o uso da biometria representa um risco de infecção por Covid-19 para os eleitores. Além disso, essa medida reduzirá aglomerações, por tornar o processo mais rápido.


#2 Parceria com checadores

Essa ação envolve a manutenção de parcerias com plataformas de checagem para garantir a divulgação de informações corretas sobre as eleições.

#3 Fim das coligações proporcionais

Tal medida foi aprovada em 2017, mas entrou em vigor apenas em 2020. Resumidamente as coligações partidárias permitiam a aliança entre partidos pequenos com o objetivo de aumentar o apoio a seus candidatos e consequentemente elevar suas chances para se elegerem. Anteriormente os votos obtidos por todos os candidatos e legendas de uma coligação proporcional eram somados e considerados no cálculo de distribuição de vagas, o que gerava uma certa distorção do sistema proporcional.


#4 Criminalização das Fake News

O Congresso acrescentou ao Código Eleitoral o crime de denunciação caluniosa com finalidade eleitoral ano passado. Pela legislação o candidato que divulgar notícias falsas com finalidade eleitoral pode ser preso e até ter a candidatura suspensa.

Você que é eleitor, procure sempre ficar atento às novas medidas e regras oficiais divulgadas pelo TSE e sempre questione a veracidade dos dados e informações que chegam a você, independente do canal. Se você é um candidato que faz parte desse cenário político e deseja ter uma vantagem competitiva na hora de elaborar estrategicamente a sua campanha, entre em contato com a Jr. Eng. Somos especialistas em pesquisa de mercado, pesquisa de opinião e pesquisa eleitoral.



28 visualizações

Menu: 

Informações: 

Av. Dr. Ariberto Pereira da Cunha, 333 - Bloco 1 - Pedregulho, Guaratinguetá - SP, 12516-410

+55 (12) 3123-2249

© 2020 Jr. Eng Todos os direitos reservados